Quer vender mais?! Quem não precisa vender?

424

Hoje, quero lhe contar um segredo!

Ontem estive com um cara muito bacana que me contou sua história de vida. Eu passaria horas aqui compartilhando contigo, pois o nível de conhecimento dele sobre vendas e como impactar clientes é tão grande, que resolvi chamá-lo para palestrar. Assista ao teaser que fizemos para provocar sua reflexão (link abaixo).

O que me chamou atenção foi o segredo que ele me contou: sabe aquelas reuniões com nossos colaboradores, sócios ou parceiros, onde habitualmente começamos de forma séria e sisuda? Então, isto está errado…

Ele me provou que o nível de desenvolvimento, criação e brainstorm, sobre o que conversamos nessas reuniões “sérias”, acabam sendo limitados, e nós como líderes/empreendedores inteligentes que somos, devemos iniciar tudo na base do bom humor, relaxar e descontrair. Agora, vou te explicar o porquê 🙂

Através do bom humor a dopamina que liberamos nas “conversas bobas”, entre risos, acabam com a tensão da reunião, deixando nossa capacidade cerebral mais à vontade para ser externalizada. Assim, trocamos ideias mais despretensiosas, fazemos provocações e chegamos até a questionar erros supostamente absurdos da compreensão do cliente em relação ao nosso negócio – entenda isso como objeções.

Neste tipo de compartilhamento de ideias “absurdas”, alcançamos um nível de conscientização sobre a experiência que um consumidor mais simples, percebe em relação a nossa empresa ou produto. Ao dividirmos isso, de forma consciente, bem animada e com a sensação de “ameaça zero” podemos responder questionamentos e objeções, prevendo problemas futuros que o cliente possa ter.

A reflexão sobre como não usamos os recursos abundantes de nossos colaboradores e, até da nossa capacidade e inteligência, me fez entender como podemos transformar pequenas objeções de compra em experiências de vendas. E, por isso, quero provocá-lo a fazer isso na sua próxima reunião!

Seja menos sério, deixe o ambiente mais leve, descontraído. Conte piadas, diga bobagens no início, deixe ideias lá do fundo se manifestarem, pergunte opiniões pessoais, primeiras impressões, e vá anotando as dificuldades que até então pareciam “absurdas” (que são jogadas na mesa), e pense nas soluções para respondê-las. Esse processo na verdade é conhecido como “Design Thinking” – onde você pensa lá na frente pelo seu cliente, e consequentemente cria relações mais estruturadas e saudáveis de vendas.

Pensar coletivamente, sem clima pesado, ajuda a desopilar ideias novas, desconstruir modelos ultrapassados e, principalmente, criar e inovar. Quem ganha com isso? O consumidor e o caixa de sua empresa, além de funcionários mais engajados em resultados e um ambiente de trabalho mais abundante!

Literalmente foi uma aula que tive em tão pouco tempo, onde me lembrou os tempos de faculdade; porém ao invés de teoria, ela pode deve ser praticada e o único responsável pela sua execução “SOU EU” – ou melhor, “SOMOS NÓS”.

COMPARTILHAR
Nando Gaspar
Nando Gaspar é empreendedor desde muito cedo. Sempre disposto a conversar sobre ideias, fundou a Conexão Empreendedora com o mesmo intuito: construir uma plataforma de produtos com uma nova visão de aprimoramento para os empresários construírem seus negócios de forma lucrativa e sustentável. É formado em Publicidade com Especialização em Marketing e diversos outros cursos na área Empreendedora pelo Sebrae e EPA. Atuou em agências de publicidade com estratégias de comunicação corporativa e durante anos geriu grupos de networking. É CEO da Studio Doze Comunicação - a empresa trabalha com ambientação, fachadas e design visual -, e da Studio Office - espaço coworking e virtual.