Desconstruindo medos e limitações

203

Se me perguntassem a 3 anos atrás se eu um dia seria empreendedor, eu provavelmente diria:

Jamais!

Então vejamos, escrevo esse texto em Maio de 2017 e estaríamos falando de uma data próxima a Março/2014, eu tinha então um bom trabalho, um bom salário, meu grande sonho estava sendo construído (a história do #fusca27 está intimamente ligada com o título desse texto) e tudo ia muito bem, mas os próximos 18 meses seriam um verdadeiro furacão na minha vida e me levariam a um outro modelo de vida absolutamente diferente do que eu vivera até então. Bom, tudo mudou no dia 17/setembro/2015.

Mas vamos contextualizar isso tudo….

Aos 20 anos de carreira chego em uma empresa maravilhosamente estruturada, com produtos e serviços excelentes e com um grande desafio nas mãos, assumir um time de Técnicos de hardware com resultados individuais bem abaixo da média dos outros times, mas com um potencial enorme, que hoje posso dizer, eles mesmos desconheciam. Se há algo que eu deva agradecer em toda a minha carreira, é a essa empresa, a esse time e aos meus pares nesta época.

Desafio dado, eu teria pelos próximos 2 anos um trabalho enorme de recuperação e crescimento desse time levando-o a uma posição de “empate técnico” na primeira posição com outro excelente time, mas o que importa para minha vida está exatamente entre essas duas datas…

Apesar de já ter sido gerente de outros times, com outros desafios diferentes e até mais complexos tecnicamente falando, o modo como lidei com esse time, foi absolutamente diferente, pois dessa vez, era uma história onde as “pessoas” seriam o diferencial.

Ali eu aprendi o que era trabalho em equipe, aprendi que a confiança entre as pessoas é o que dá prazer na liderança (ao menos para mim), aprendi que “rádio peão” só existe pela péssima comunicação dentro da empresa, aprendi que ensinar a mudar é o maior legado que um gestor de pessoas pode deixar para seu time, aprendi que só se pode medir a performance de um time exatamente quando seu gestor está longe dele, aprendi que alimentar o seu “concorrente” dentro de uma disputa sadia é fantástico, mantê-lo forte e te pressionando faz a sua vitória ainda melhor, aprendi que os números são frios e manipuláveis, aprendi que não é fácil superar limites individualmente, mas em time nos completamos, aprendi que a distância da família dói, mas te faz mais forte, aprendi que as amizades duram para a vida toda.

Aprendi acima de tudo isso que eu fazia algo diferente com meu time, algo que até então eu não sabia o nome, e que algum tempo depois descobri chamar-se COACHING! Ou seja, eu era Coach de todo um time e não sabia…. fazia isso naturalmente.

Chegamos a 2013 e com ele muitas mudanças, de empresa, de volta à minha família e cidade, e finalmente o início da construção do meu sonho. Todos que me conhecem sabem da minha paixão por automobilismo e nesse ano comecei a construir o #fusca27, que era então o grande SONHO da minha vida, ter um carro de competição e finalmente correr em Interlagos.

Profissionalmente um certo incômodo tomou conta de mim, eu fazia o que sabia, ganhava muito bem para isso e entregava resultados, mas começava a deixar de ser feliz com isso, e com isso menos resiliente, sendo então mais intransigente e a uma sequência de trocas de empresas, aos poucos fui descobrindo que eu já não amava mais o que fazia, mas felizmente cheguei a uma conclusão importante, eu AMAVA lidar com pessoas, eu AMAVA consertar coisas (equipamentos, situações, relacionamentos e “pessoas”).

Nesse ponto eu não suportava mais ser visto como parte do problema. Explico, quando se trabalha em fabricantes, especificamente na área de pós vendas, suporte, o cliente entende corretamente que todos sob a marca do produto “causaram” o problema, e mesmo os times de suporte (minha especialidade) são vistos com parte do problema e não da solução..

Paralelamente comecei a estudar sobre o tema Coaching, mas ainda sem participar de uma formação oficial, começava ai uma desconstrução dolorida, mas necessária.

Estamos aqui nos idos de 2015 e o SONHO vira realidade…. 31/maio/2015 faço o Shakedown do Fusca27 em Interlagos, tenho muito a agradecer a todos que fizeram parte nessa história, e finalmente no dia 11 de julho de 2015 o SONHO SE TORNA REALIDADE, minha primeira prova de Fusca em Interlagos e nesse dia eu chorei, vi o esforço de toda a vida ser recompensado, mas ao mesmo tempo, um enorme vazio se fez… e agora? Qual seria o meu próximo sonho? Pois aquele já era realidade… Qual seria minha próxima meta? Para que eu acordaria todos os próximos dias? E sem achar essas repostas, eu me perdi…

Em 26/julho/2015 eu faço minha segunda prova de Fusca em Interlagos, mas aí o final foi outro… dia de muita chuva , largamos com muito cuidado e na segunda volta em plena reta oposta acontece um grande acidente envolvendo 7 carros e eu estava lá no meio. Uma batida muito forte onde quase todos carros foram para o lixo, apesar de assustados e ferimentos leves, todos os pilotos saíram bem.

Foi praticamente o fim do Fusca27, mas ainda havia mais por vir…

Em setembro de 2015 pedi meu desligamento da última empresa para a qual trabalhei como CLT, e não tinha um trabalho para fazer no seguinte.

Sem sonho, sem fusca, sem emprego.

Através de um irmão que a vida colocou no meu caminho, apenas 4 dias após esse desligamento, no dia 15/setembro/2015 eu participei de um evento de empreendedorismo no bairro de Santana, na cidade de São Paulo, o 5º Encontro de Empreendedores promovido pela Conexão Empreendedora, fui de maneira despretensiosa e ao mesmo tempo aberto para ouvir.

E lá eu vi pessoas com brilho nos olhos, sonhos, gente esforçada, motivada, lutadora, com muitas dificuldades, com medos e incertezas, mas seguindo em frente, se jogando naquilo que acreditam, colaborando, crescendo, ajudando, sendo ajudadas, algo que a muito eu não via no mundo corporativo.

O tal brilho nos olhos e sonho voltaram a crescer dentro de mim, era ali que eu queria estar, EMPREENDENDO!

Desse dia para cá muita coisa rolou, 2 formações de Coaching, conheci muita gente, palestrei, ajudei, fui ajudado, voltei a acreditar, fiz cursos MARAVILHOSOS, conheci mais gente, reciclei minha personalidade, terminei amizades falsas, ganhei novos amigos, conheci mais gente interessante (você não faz ideia o tanto de gente que se conhece nesse mundo empreendedor!!!) Descobri produtos, abri minha empresa, fiz parcerias estratégicas e HOJE SOU COACH.

Finalmente entendi que emprego, trabalho e remuneração são coisas diferentes!

E por que escrever isso hoje? Lembram daquele evento do dia 15/setembro/2017, pois bem… nesse meio tempo, eu fiz pitch, ganhei livro, fiz palestras, vendi, comprei, tudo nesse grupo, e hoje, tenho o prazer de ser um patrocinador da Conexão Empreendedora, sendo inspirado por todos vocês que fazem parte desse mundo e procurando retribuir com o que há de melhor em mim.

O que trago comigo dessa jornada?

1) Pessoas. Se tudo parar, elas vão pôr tudo para funcionar outra vez. Sim eu estou falando de nós, os microempresários.

2) Relacionamentos. Livre-se dos que não prestam, cultive os bom, e continue conhecendo pessoas…

3) Metas. Não é possível vencer se não existir uma meta.

4) Sempre tenha o “sonho da vez”, mas lembre-se que se tudo der certo ele se realiza, e ai fica a pergunta, qual o próximo sonho?

5) Desconstrução. Deveríamos promovê-la naturalmente, frequentemente.

6) Coisas. Elas quebram, mas podem ser consertadas! (o FUSCA27 está ótimo!)

7) Família. Nem sempre vamos acertar,  mas há que se respeitar, e podemos ser melhores sempre.

8) Grana. Tenha uma boa reserva, hora dessas você vai precisar.

9) Saúde. Melhor cuidar….

10) Discordar de si mesmo, esse é o caminho da melhoria continua.

Deixo aqui o meu sincero abraço a todos os EMPREENDEDORES que cruzaram meu caminho.

Mauricio Lima

Coach, Empreendedor, Aspirante a Piloto de Fusca

COMPARTILHAR
Mauricio Lima

Coach formado e membro atuante da Academia de Coaching Integrativo. Graduado em Telecomunicações pela ETFSP, Ciência da Computação pela FASP, Pós-Graduado em Marketing de Serviços pela ESPM, MBA Executivo em Gestão de Projetos pela FIA. Especialista em Gestão de Serviços de Pós-Vendas e relacionamento com clientes. Palestrante em eventos de Tecnologia, Gestão de Serviços e Coaching.