A Grande Entrevista

295

Dois anos depois de apresentar uma proposta sobre o Mottainai, http://mottainaisustentabilidade.com.br/mottainai/ numa organização para os colaboradores daquela companhia, os rumores chegaram até os ouvidos do diretor. Assim, fui chamada para uma entrevista com ele. Estava nervosa, a sala de espera causava a sensação de expectativa. Não poderia imaginar que ali seria o palco de um grande aprendizado sobre como não se desperdiçar.

Ao entrar na sala do diretor, encontrei um homem com o semblante sério, destes que parecem carregar o mundo nas costas, e o seu aperto de mão era firme, de quem é decidido e objetivo. Naqueles segundos iniciais, todos os meus sentidos estavam aguçados – frio na barriga, coração acelerado e aquele formigamento no corpo. Era o alerta de que essa entrevista seria uma experiência nova.

Apresentados, ele já foi dizendo: soube que você é especialista em desperdício. Vou avisá-la que nossa entrevista será de 10 minutos, tudo bem?

Assim transcorreu a conversa. Ele fez seis perguntas e pediu que fosse objetiva e verdadeira, pois não queria desperdiçar o seu tempo. Aceitei o desafio, esboçando um leve sorriso de medo e ansiedade.

1- Tiemi Yamashita o que você faz?

Faço palestras e Workshop sobre Mottainai

2- Por que você faz isso?

Porque eu quero ser ÚTIL. As organizações e as pessoas desejam eliminar os seus desperdícios e se desenvolverem de forma sustentável.

3- Como você faz isso?

Sensibilizo o público, provocando uma reflexão que amplia a visão sobre o atual contexto e sua responsabilidade no aqui e agora. Sensibilizar é mover para a ação.

4- Qual o seu diferencial?

Meu diferencial é a minha verdade, minha história de vida com o propósito de disseminar o Mottainai: um mergulho na cultura japonesa, a inovação e o encantamento que toca o coração e promove reflexões pragmáticas de aplicabilidade imediata.

5- Por que eu deveria te contratar?

Talvez porque saiba que estamos num momento crucial, que nada será como antes e que será preciso muito mais do que dinheiro para sobreviver. Antes de tudo será preciso uma nova VISÃO sobre os recursos que temos e de como podemos otimizá-los, eliminando os desperdícios tangíveis e intangíveis e desta forma aumentar a produtividade.

6- E quanto custa isso?

A partir de R$ 3 mil podemos começar a ampliar a visão e disseminar o Mottainai. Mas cada organização é única e por isso precisa de uma proposta customizada para atender de forma específica a sua necessidade, aproveitando os recursos já disponíveis e respeitando sua natureza.

Ele olhou o relógio e disse:

Tempo esgotado. Muito obrigado. Parabéns!

Passado esse episódio, lembrei-me de uma aula que tive no DOJO (local de treinamento). O professor falava sobre a “ARTE” que é a soma da técnica com a habilidade. A técnica é adquirida com os estudos e a habilidade significa a apreensão da prática constante.

Para quem é empreendedor como eu, sabe o quanto é desafiador cada entrevista de apresentação de proposta e que por mais que tenhamos treinado e elaborado as apresentações, nunca sabemos o que o outro lado espera e pensa de nós. Portanto, listei algumas dicas com base nessa experiência:

– TRANSPARÊNCIA. O diretor foi transparente com o que esperava de mim e isso permitiu que eu me concentrasse nas 6 respostas.

– FOCO. Mantive o foco e atendi a expectativa do diretor, não perdi tempo com julgamentos sobre a maneira com que me tratou ou se era justo ou não os 10 minutos propostos.

– APRENDA COM O OUTRO – Gostei das 6 perguntas que ele me fez. Gostei tanto que “ tatuei” ( gíria que quer dizer que adotei, incorporei). Hoje quando me proponho a desenvolver um novo projeto, respondo essas 6 perguntas.

– COMPARTILHE – Decidi compartilhar essa experiência porque talvez seja útil para você aprimorar sua arte de empreender. Se você também tem algo para compartilhar, escreva um artigo, ou grave um vídeo. Aprender é fascinante, não se desperdice.