A Dinâmica do Pensamento

121

O escritor e humorista norte americano Mark Twain, falecido no início do século 20, é autor de uma frase muito significativa, “Já sofri por muitas coisas em minha vida. A maioria delas nunca existiu.”.

Como podemos sofrer por coisas que não existem? Esta pergunta foi o que me estimulou a criar uma palestra e escrever este artigo sobre a dinâmica dos nossos pensamentos e qual o poder que ele, os pensamentos, tem sobre nossas emoções e comportamentos. Naturalmente que eu mesmo me considero, ainda, uma “vítima” destes pensamentos insistentes, persuasivos e que em sua maioria, nos colocam em estados alterados de humor. Pensamentos que podem nos causar sofrimentos, ciúmes, desconfianças, tristezas, raivas, sensações de profunda depressão. Pensamentos que sugam nossas energias e tem o poder de nos paralisar, enfraquecer, destruir.

Certamente que o mesmo poder que os pensamentos negativos tem para nos destruir, os pensamentos positivos tem para nos levantar, motivar e estimular trazendo estados de euforia, alegria, confiança, poder, elevação da autoestima. Mas os pensamentos positivos nos fazem bem, por isso, vamos deixá-los como estão por enquanto, vamos primeiro tratar dos pensamentos que não nos tem feito muito bem.

Para você poder entender a dinâmica do pensamento, vou fazer uma breve explanação sobre o funcionamento neurológico do nosso cérebro, pois, a esta altura você pode estar se perguntando, como pode os nossos pensamentos nos destruir? Estamos falando como se tivéssemos dentro de nós duas pessoas? Meus pensamentos me destruindo? …mas espera aí, eu não sou o meu pensamento? Como assim?

Muito bem, é exatamente isso o que acontece, nós seres humanos somos pessoas duais, existe uma dualidade em nós. Não estou falando de problemas patológicos, ou psiquiátricos, distúrbios neurais, transtorno dissociativo de identidade, bipolaridade. Diga-me, quem nunca se pegou falando consigo mesmo e muitas vezes em voz alta? Acredite, não há nada de errado com isso, faz parte da nossa natureza humana, todos nós funcionamos assim.

Além dos estímulos externos que abastecem nosso cérebro, como: visão, audição, olfato, paladar, tato, temos também o que muitas pessoas chamam de intuição, aqueles pensamentos que chegam a nossas mentes como se viessem do nada, simplesmente chegam.

Não quero aqui entrar no mérito místico ou religioso da intuição, por isso, vou dar uma explicação para a intuição que talvez você nunca tenha pensado, e ainda, que muitas pessoas irão criticar, exatamente porque todas as vezes que falamos de intuição, achamos que isso vem do ambiente externo. Mas, veja se isso faz sentido para você, a intuição é fruto do nosso ambiente interno, são ideias que vem dos nossos próprios pensamentos, formadas pelos conhecimentos adquiridos ao longo das nossas vidas, somados as nossas experiências e que boa parte está armazenada em nosso subconsciente e inconsciente, e que, são disparados devido a estímulos, internos ou externos, que nem sempre percebemos que ocorreram, tipo mensagens sublimirares¹.

Um cérebro saudável, ausente de lesões, possui várias divisões que não vou aqui dissecar, quero ser bastante didático para que todos possam entender, então vou mencionar somente as duas maiores partes do cérebro, o lado direito e o lado esquerdo do cérebro. Cientificamente comprovado que os dois lados do nosso cérebro são independentes, porém, são interdependentes, eles nem mesmo se tocam fisicamente dentro da caixa craniana. Incrível não é? Mas estas duas partes possuem até funções e características diferentes, o lado esquerdo do cérebro é o nosso lado lógico, nossa razão e o lado direito é o nosso lado emoção, sentimental, lado criativo.

Pois bem, por aqui já deu para perceber porque somos seres duais, além dos estímulos externos, já mencionados, existe uma verdadeira conferência entre os lados direito e esquerdo do cérebro, talvez, por esta razão, falamos com nós mesmos, ou talvez isso explique com mais propriedade a intuição, mas insisto, não quero aqui destruir as crenças sobre intuição de ninguém, considere somente como uma possibilidade. Combinado?

Creio que consegui passar parte da dinâmica do pensamento, mas vamos continuar, vamos abordar o porquê que pensamos o que pensamos, porque muitos de nós, a maioria, creio, alimentam pensamentos negativos, aqueles que nos torturam. Em seguida vou mostrar como podemos nos livrar destes pensamentos e substituí-los por pensamentos positivos.

Vou usar um exemplo que acredito que a maioria de nós conhece. Você sabe como funciona o Feed de Notícias do Facebook? Àquela parte onde aparecem todas as postagens que recebemos o que nós ou o que nossos amigos publicam? Pois bem, o Feed de Notícias do Facebook funciona de forma bem parecida com o nosso cérebro, aliás, ele foi desenvolvido a semelhança do funcionamento do nosso cérebro. Vamos supor que você tenha 500 amigos em sua rede, se cada um deles fizer dois posts por dia, você receberia 1000 publicações em sua rede em um único dia, uma quantidade gigantesca de informação. Por esta razão, não recebemos todas as publicações que nossos amigos postam todos os dias, assim como, nem todos os nossos amigos recebem todas as nossas publicações.

Então, como o algoritmo do Facebook funciona?

Ele nos oferece somente as publicações, cujo conteúdo, demonstramos algum interesse em algum momento, ou as publicações de amigos que mais interagimos. Nosso cérebro funciona da mesma forma, são as coisas que nos interessam as que mais pensamos. Sabe aquela história que um dia você resolve trocar de carro e ao escolher um determinado modelo e cor você automaticamente passa a ver esse mesmo modelo na mesma cor muitas vezes durante o dia, coisa que não havia reparado antes? Pois bem!

Agora, de posse desta informação, vou acrescentar outro fator, lembre-se que estou tentando explicar nossos pensamentos negativos. Quero acrescentar ao cenário, nossas crenças. Crença é tudo aquilo que acreditamos ser verdade, que aprendemos ao longo da vida a acreditar que são verdades absolutas. Também as crenças podem ser divididas em dois blocos, as crenças positivas, aquelas que nos fortalecem, coisas que acreditamos que nos fazem bem, que ajudam nas nossas conquistas, no atingimento das nossas metas, que nos faz reagir positivamente aos obstáculos. E tem as crenças negativas, as “verdades” que nos paralisam, impedem que realizemos coisas porque acreditamos que são difíceis ou impossíveis e invariavelmente são estas crenças as responsáveis pela maioria dos nossos pensamentos negativos, como por exemplo: eu não consigo, não posso, não mereço, tudo é tão difícil em minha vida, não tenho sorte na vida, nada dá certo para mim, minha família não tem nada, logo eu também não terei nada, e assim vai, a lista de crenças é infinita. De onde vêm estas crenças? A maior parte delas vem da nossa infância, nossa formação como pessoas, coisas passadas de pai para filho, coisas que aprendemos nas escolas, nas igrejas, com nossa família. Parte de uma herança de ensinamentos que nem sempre nos fazem bem, pois, nos limitam.

Permita-me fazer alguns questionamentos: Porque alimentamos nossos pensamentos com ódio, com tristezas, com decepções e amarguras? Porque remoemos o passado? Porque nos concentramos em coisas que não podemos controlar? Naturalmente que não são todas as pessoas e nem em toda a parte do tempo, mas a maioria de nós tem o péssimo hábito de sobrecarregar os pensamentos com coisas que não nos fazem bem e que não podemos controlar.

Sim, vamos criando hábitos em nossas vidas, estimulados por crenças, por influências externas de outras pessoas, por programas de televisão, jornalismos, até campanhas de publicidade, por situações que a princípio nos parecem favoráveis.

Saiba que o nosso cérebro quer o melhor para nós, sempre!

Mas, o que é melhor para nós? …É o que aprendemos a acreditar que seja!

Já ouviu falar que para todo o comportamento há sempre uma intenção positiva?

Mas como assim, qualquer comportamento? Sim, qualquer um, por mais estranho que pareça ser. Nosso cérebro vai criando ao longo da vida, comportamentos e emoções que nos trazem algum benefício, que muitas vezes nos protegeram e nos protegem de determinadas situações. Situações que podem até não mais existirem, mas que por hábito, mantemos os comportamentos e emoções gerados nestas situações passadas.

Determinados padrões de pensamentos, determinadas crenças, dão origens a determinadas experiências e habilidades. Definem nossas emoções e comportamentos. Definem o que nos tornamos.

Vou ilustrar estes padrões de comportamentos com um breve caso que tive a oportunidade de presenciar.

Conheci um senhor, vou chama-lo de Senhor Roberto, nome fictício. Em certa ocasião, em um grupo de aproximadamente dez pessoas onde o assunto era dinheiro, mais precisamente, as dificuldades que tínhamos em relação a ganhar dinheiro com nossas atividades. Após algum tempo com o grupo debatendo o assunto, cujo Senhor Roberto apenas ouvia atentamente, o próprio Senhor Roberto, com um pouco de receio, nos interrompeu para contribuir com suas experiências no assunto e nos surpreendendo, contou que ele não tinha dificuldade alguma em ganhar dinheiro, para ele o dinheiro surgia com muita facilidade, e nos contou que em um determinado dia, em uma discussão mais acalorada com a sua, já terceira esposa, saiu irritado, pegou seu carro e ao sair do estacionamento do condomínio onde morava, acabou colidindo seu veículo na traseira de outro veículo, os motoristas desceram dos carros e não houve discussão, apenas olharam os estragos, trocaram cartões e o motorista, vítima do acidente, ficou de entrar em contato para que o seguro do Senhor Roberto cobrisse os prejuízos. Para surpresa do Senhor Roberto, este motorista veio a ser um importante cliente em seu negócio, gerando em um único mês, mais de duzentos mil reais em lucro.

Bem, o que quero expor com o caso do Senhor Roberto, perceba alguns detalhes em sua história. O Senhor Roberto não veio de uma família simples, nasceu em um lar onde o dinheiro sempre foi abundante e jamais ouviu seus familiares reclamarem de dificuldades em ganhar dinheiro, por esse motivo, ele nunca achou que para ganhar dinheiro fosse necessário muito sacrifício, ou trabalho duro, ganhar dinheiro para ele é como se fosse algo rotineiro. Ganhar dinheiro é relativamente fácil para o Senhor Roberto, é uma crença, uma verdade que aprendeu a acreditar. Mas veja outro detalhe, o Senhor Roberto mencionou que estava em seu terceiro casamento, logo, para ele, relacionamentos eram coisas muito mais complicadas do que ganhar dinheiro. Não que exista uma compensação do tipo, “sorte no jogo, azar no amor”, mas ele aprendeu, provavelmente em sua formação familiar, que os relacionamentos são coisas mais complicadas e difíceis de manter.

Este comportamento tem um nome, chama-se Mindset, cuja tradução é mentalidade que por sua vez significa maneira de pensar.

E é este Mindset, essa maneira de pensar que faz o que somos. Já ouviu falar no livro: O Segredo, da Rhonda Byrne, de 2006? O segredo é a lei da atração. A autora ensina no livro: “… defina o padrão de pensamento que deseja ter e você será o que quiser ser”. Este livro recebeu muitas críticas na época que foi lançado, mas para mim, ele foi um divisor de águas, foi a primeira vez que tive contato com um ensinamento deste tipo e fez todo o sentido para mim.

Portanto, somos exatamente o que pensamos ser! Nosso cérebro acredita em tudo que dizemos a ele. Sendo assim, comece a dizer a ele o que você é, o que você quer ser, comece se livrando das suas crenças limitantes, daqueles pensamentos que te sabota, que te paralisa, que te limita. Substitua estes pensamentos por pensamentos de fortalecimento, pensamentos positivos. Passe a acreditar que você pode porque não há lei alguma que o impeça, passe a acreditar que você consegue porque tem todas as condições para isso, passe a acreditar que você merece tudo que o “universo” pode te trazer de bom.

Outra frase muito significativa para mim é a frase do também escritor americano Norman Vincent Peale. “O pensamento positivo pode vir naturalmente para alguns, mas também pode ser aprendido e cultivado, mude seus pensamentos e você mudará seu mundo.”

Mas como mudar nossos padrões de pensamentos?

Não desejo criar outra crença dizendo que é difícil ou complicado mudar estes padrões, mas, certamente se você já tem alguns anos de estrada, com hábitos antigos e já energizados, posso lhe dizer que consegue, com trabalho e dedicação, mas consegue. Trabalho e dedicação exatamente por causa dos nossos hábitos. O processo consiste em substituir os antigos hábitos por novos.

Lembra-se do filme O Vingador do futuro? Neste filme existe uma empresa chamada Recall e ela fazia implantes de memória. Seria ótimo poder contar com tal tecnologia para mudarmos nossos padrões de pensamento de forma fácil e rápida, mas, isso ainda não nos pertence, então vai ter que ser no modo artesanal mesmo.

No Facebook, podemos assumir o controle e personalizar nosso Feed de Notícias, basta entrar em “Preferências do Feed de Notícias” e definir os padrões que deseja.

Você pode fazer a mesma coisa em seu cérebro. Assuma o Controle do Feed de Notícias do seu Cérebro!

Tenha a intenção, vontade verdadeira de mudar, exclua do seu vocabulário algumas palavras que costumam te sabotar, por exemplo: Eu vou tentar mudar, quem tenta não coloca intenção suficiente para fazer acontecer. Eu quero mudar, você quer, mas não vai mudar por vários motivos que estão com você há tempos. Eu preciso mudar, mas precisar não significa acontecer. Estas palavras não possuem a força suficiente e necessária para que mude verdadeiramente o que tiver a intenção de mudar. Ao invés disso, coloque à frente das suas atitudes mais intenção, mais disposição, diga: Estou disposto a mudar, eu posso mudar, eu consigo mudar, eu mereço mudar minha vida para melhor. Use a técnica mundialmente conhecida chamada de, atitude, ação, faça acontecer.

Talvez seja necessária ajuda externa, um amigo que possa te ajudar com isso, contratar um processo de Coaching, talvez uma terapia, ou ainda, cursos e treinamentos específicos que lhe dê a habilidade necessária para se autoconhecer e se autodesenvolver, que lhe dê condições para entender como tudo isso é possível.

Por fim, vai uma dica que pode ajudar. A leitura do livro, O poder do Hábito de Charles Duhigg. Trabalho fantástico sobre hábitos, vícios, como se formam, porque são importantes, como identificá-los e como mudá-los. Certamente irá ajudar muito no processo de mudança em seus padrões de pensamentos.

Espero que este artigo tenha despertado a energia propulsora da mudança, espero ter acendido algumas luzes, espero ter gerado alguns insights, espero que este seja um começo, ou a retomada de muitos outros começos.

Contudo, ao final sempre há um começo!

Carinhoso e intenso abraço!

Prof. Ruberval Machado

¹ Mensagens subliminares são aquelas que os sentidos humanos não conseguem perceber de forma consciente, assim, a mensagem atinge outra parte do cérebro humano subconsciente. O termo foi inventado por James Vicary, um especialista em marketing americano, no ano de 1957. Vicary desenvolveu uma técnica chamada de “projeção subliminar”, onde imagens intencionais impossíveis de se perceber de forma consciente eram projetadas em frações de segundo em uma seção de cinema.

Fonte: http://brasilescola.uol.com.br/curiosidades/mensagem-subliminar.htm.